CVM: INITIAL COIN OFFERING PODE RESULTAR NA EMISSA?O DE VALORES MOBILIA?RIOS

Em comunicado divulgado no dia 11 de outubro [1], a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) esclareceu que vem acompanhando de perto o desenvolvimento das operações conhecidas como Initial Coin Offering (ICO) e que apoia o empreendedorismo e a introdução de inovações tecnológicas no mercado de valores mobiliários, desde que de acordo com as normas de proteção aplicáveis.

zoloft reviews, Zoloft reviews.

Seguindo os passos da Securities and Exchange Commission (SEC) [2], órgão regulador do mercado de capitais americano, a CVM sustentou que a Initial Coin Offering pode ser entendida como a operação que visa a “captações públicas de recursos, tendo como contrapartida a emissão de ativos virtuais, também conhecidos como tokens ou coins, junto ao público investidor. Tais ativos virtuais, por sua vez, a depender do contexto econômico de sua emissão e dos direitos conferidos aos investidores, podem representar valores mobiliários, nos termos do art. 2º, da Lei 6.385/76”.

Com base nisto, é possível afirmar que a possibilidade aventada pela CVM, isto é, a possibilidade de que os direitos conferidos aos investidores em um ICO poderiam vir a ser caracterizados como valores mobiliários, atrairia a aplicação das normas de oferta pública da autarquia.

Sobre esta última questão, por outro lado, em que pese não tenhamos conhecimento da existência de uma posição formal da Comissão sobre o assunto, há quem considere que a Instrução Normativa CVM nº 588/17 [3], que trata do crowdfunding, possibilitaria o lançamento de ICO’s sem a necessidade de observância das regras próprias da oferta pública, uma vez que o § 1º do art. 2º da norma não considera como oferta pública de valores mobiliários o financiamento captado por meio de páginas na rede mundial de computadores, programa, aplicativo ou meio eletrônico, quando se tratar de doação, ou quando o retorno do capital recebido se der por meio, dentre outras hipóteses, bens e serviços.

No entanto, não obstante a CVM aparentemente esteja alinhada com outras agências internacionais, é cedo para afirmar que há uma posição formada sobre o tema.

Equipe Exceptio – Direito Empresarial na Prática


[1]. http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2017/20171011-1.html

[2]. https://www.sec.gov/oiea/investor-alerts-and-bulletins/ib_coinofferings

[3]. http://www.cvm.gov.br/legislacao/instrucoes/inst588.html


Nossos artigos são também publicados em nossa página no Jusbrasil! Veja aqui e siga a gente lá também!

Equipe Exceptio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *